Pinheiro - Aspecto e utilidade

Árvore pi-nácea, de folhagem sempre verde, da qual se extrai a resina, e cuja madeira é muito empregada em construções e para fazer mastros de navios. Há numerosas espécies de pinheiros. Ao pinheiro bravo convém climas húmidos; o pinheiro manso resiste muito mais aos climas secos e quentes, exige mesmo esta última condição para seu melhor desenvolvimento. É também junto dos rios e dos mares que forma mais extensos maciços, não subindo tão alto nas montanhas, como o pinheiro bravo. Quanto ao solo, ambas as espécies são pouco exigentes. Podem viver nos terrenos pobres, desde que não sejam calcáreos, muito compactos ou encharcados. O pinheiro bravo ainda é menos exigente do que o manso; ambos se dão perfeitamente nos solos arenosos do litorial. • Distinguem-se bem: o pinheiro bravo tem a copa ponteaguda; a do manso é mais arredondada. • Estas árvores fornecem madeira para construções e para queimar; a madeira do pinheiro manso é de melhor qualidade; a do pinheiro bravo tem uso mais limitado em construções, e serve mais frequentemente para travessas do caminho de ferro, postes telegráficos, construções debaixo de água, estacarias, etc. Esta madeira é muito mais resinosa que a do pinheiro manso: significa que dá melhor lenha para queimar. • Os produtos resinosos são extraídos de preferência do pinheiro bravo, que os apresenta muito mais abundantes, tais como: a resina, a essência de terebintina, o pez, o alcatrão, o breu, o álcool metílico, o ácido piro-lenhoso, diversos óleos, etc. O negro de fumo obtém-se pela combustão dos detritos resinosos..